Anotações sobre prevenção da fraude étnico-racial no acesso à Universidade

Isabel CF da Cruz

Resumo


Neste momento em que as cotas étnico-raciais para população negra são implementadas em âmbito federal, cresce também em  todas as pessoas o reconhecimento do incomensurável valor do benefício conquistado por meio da ação política do Movimento Negro. Ainda que em menor proporção, surgem denúncias de fraude, segundo as quais pessoas não pretas ou pardas ou indígenas estariam ingressando nas IES. A revisão da literatura científica e cinzenta, levou a concluir que as ações dirigidas para a prevenção ou correção, se for o caso, da fraude étnico-racial que tratam as pessoas de forma equânime no acesso à Universidade são o Documento de Autodeclaração e o Documento Público (com indicação de raça/cor e de ascendência direta). Comissão de Sindicância no caso de denúncia sobre fraudes


Palavras-chave


cotas étnico-raciais; prevenção da fraude étnico-racial

Texto completo:

HTML

Referências


Campos, Luiz Augusto. (2012). "We have a dream": cientistas sociais e a controvérsia sobre as cotas raciais na imprensa. Revista de Sociologia e Política, 20(41), 53-73. https://dx.doi.org/10.1590/S0104-44782012000100005

Silva, Sidney Reinaldo, & Negrão, Mário. (2012). Normatividade, políticas públicas educacionais e a questão racial no Brasil. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, 93(235), 864-882. https://dx.doi.org/10.1590/S2176-66812012000400016

Campos, Luiz Augusto, & Feres Júnior, João. (2014). Ação afirmativa, comunitarismo e multiculturalismo: relações necessárias ou contingentes?. Revista Brasileira de Ciências Sociais, 29(84), 103-118. https://dx.doi.org/10.1590/S0102-69092014000100007

Santos, Hélio, Souza, Marcilene Garcia de, & Sasaki, Karen. (2013). O subproduto social advindo das cotas raciais na educação superior do Brasil. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, 94(237), 542-563. https://dx.doi.org/10.1590/S2176-66812013000200010

Cruz, I.. Indo muito além do sistema de cotas na Universidade: quais outras estratégias são necessárias para superação da discriminação institucional?. Boletim NEPAE-NESEN, Local de publicação (editar no plugin de tradução o arquivo da citação ABNT), 13, set. 2016. Disponível em: . Acesso em: 30 Out. 2016

DETERMINAÇÃO DE SERVIÇO PROGRAD, Nº. 13 de 26 de setembro de 2016. UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE – BOLETIM DE SERVIÇO. ANO L – N.° 173 05/10/2016 SEÇÃO II PÁG. 013. Disponível em http://www.noticias.uff.br/bs/2016/10/173-2016.pdf

Cruz, I.. Notas sobre prevenção da fraude - autodeclaração sobre raça/cor. Boletim NEPAE-NESEN, Local de publicação (editar no plugin de tradução o arquivo da citação ABNT), 13, set. 2016. Disponível em: . Acesso em: 30 Out. 2016

Collins, Patricia Hill. (2016). Aprendendo com a outsider within: a significação sociológica do pensamento feminista negro.Sociedade e Estado, 31(1), 99-127. https://dx.doi.org/10.1590/S0102-69922016000100006

Rosemberg, Fúlvia. (2004). O branco no IBGE continua branco na ação afirmativa?. Estudos Avançados, 18(50), 61-66.https://dx.doi.org/10.1590/S0103-40142004000100007

Maio, Marcos Chor, & Santos, Ricardo Ventura. (2005). Política de cotas raciais, os "olhos da sociedade" e os usos da antropologia: o caso do vestibular da Universidade de Brasília (UnB). Horizontes Antropológicos, 11(23), 181-214. https://dx.doi.org/10.1590/S0104-71832005000100011

Muniz, Jerônimo Oliveira. (2010). Sobre o uso da variável raça-cor em estudos quantitativos. Revista de Sociologia e Política,18(36), 277-291. https://dx.doi.org/10.1590/S0104-44782010000200017

Carneiro, R Cor da Pele em/como Campo: Dilemas de uma Jovem Orientadora de Pesquisa em Saúde. Revista Ártemis, Vol. XVIII nº 1; jul-dez, 2014. pp. 126-136. Disponível em http://dx.doi.org/10.15668/1807-8214/artemis.v18n1p126-136

Müller, Tânia Mara Pedroso. (2015). As pesquisas sobre o "estado do conhecimento" em relações étnico-raciais. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros, (62), 164-183. https://dx.doi.org/10.11606/issn.2316-901X.v0i62p164-183

Muniz, Jerônimo O.. (2012). Preto no branco?: mensuração, relevância e concordância classificatória no país da incerteza racial. Dados, 55(1), 251-282. https://dx.doi.org/10.1590/S0011-52582012000100007

Silva, Graziella Moraes, & Leão, Luciana T. de Souza. (2012). O paradoxo da mistura: identidades, desigualdades e percepção de discriminação entre brasileiros pardos. Revista Brasileira de Ciências Sociais, 27(80), 117-133.https://dx.doi.org/10.1590/S0102-69092012000300007

Universidade Federal de Grande Dourados. Autodeclaração e cotas foram debatidas no encerramento do II Seminário Diálogos Interculturais. 2016. Disponível em http://portal.ufgd.edu.br/noticias/autodeclaracao-e-cotas-foram-debatidas-no-encerramento-do-ii-seminario-dialogos-interculturais

Muniz, J.O. Inconsistências e consequências da variável raça para a mensuração de desigualdades. Civitas, 16(2), e62-e86. 2016. Disponível em http://dx.doi.org/10.15448/1984-7289.2016.2.23097

Universidade de Brasília. Análise do Sistema de Cotas Para Negros da Universidade de Brasília- Período: 2º semestre de 2004 ao 1º semestre de 2013. 2013. Disponível em http://unb2.unb.br/administracao/decanatos/deg/downloads/index/realtorio_sistema_cotas.pdf

Bastos João Luiz, Peres Marco Aurélio, Peres Karen Glazer, Dumith Samuel Carvalho, Gigante Denise Petrucci. Diferenças socioeconômicas entre autoclassificação e heteroclassificação de cor/raça. Rev. Saúde Pública [Internet]. 2008 Apr [cited 2016 Oct 25] ; 42( 2 ): 324-334. Available from: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-89102008000200019&lng=en. Epub Feb 29, 2008. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102008005000005.

Universidade Estadual de Ponta Grossa. Ações Afirmativas na UEPG, fique atento(a)! – Igualdade e oportunidade para todos e todas. 1ª. Ed, 2016. Disponível em http://cps.uepg.br/vestibular/documentos/2016/Cartilha-Cota.pdf

UEPG- Prograd ouve comunidade sobre ajustes na cota para negros; 2015. Disponível em http://portal.uepg.br/noticias.php?id=7305

Pires, C. Caaf e Prograd realizam formação para Comissão de Autodeclaração. UFG, 2016. Disponível em https://www.ufg.br/n/92259-caaf-e-prograd-realizam-formacao-para-comissao-de-autodeclaracao

SECRETARIA DA SAÚDE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL. Concurso Público. Edital Nº 16/2014 . Disponível em http://www.saude.rs.gov.br/upload/1404481224_Edial_16_2014-Homologa%C3%A7%C3%A3o%20cotas%20negros%20e%20pardos.pdf

Universidade de Brasília. Edital do Vestibular, 2016. Disponível em http://www.cespe.unb.br/vestibular/VESTUNB_16_2/arquivos/ED_1_2016_VEST_UNB_16_2_ABT.PDF

Camino, Leoncio, Tavares, Talita Leite, Torres, Ana Raquel Rosas, Álvaro, José Luis, & Garrido, Alicia. (2014). Repertórios discursivos de estudantes universitários sobre cotas raciais nas universidades públicas brasileiras. Psicologia & Sociedade, 26(spe), 117-128. https://dx.doi.org/10.1590/S0102-71822014000500013

Pires, C. Políticas de expansão e inclusão mudam o perfil de estudantes. UFG. 2016. Disponível em https://www.ufg.br/n/90869-politicas-de-expansao-e-inclusao-mudam-o-perfil-de-estudantes

Fórum Nacional de Pró‐reitores de Assistência Estudantil (FONAPRACE). Manifesto em defesa do Direito à Educação Superior e à Assistência Estudantil, setembro/2016. Disponível em http://www.prae.ufpr.br/prae/wp-content/uploads/2016/09/Campanha-Nacional-em-defesa-da-Assist%C3%AAncia-Estudantil_2016.pdf

Queiróz, A. UFGInclui recebe maior número de estudantes desde sua criação. UFG. 2016. Disponível em https://www.ufg.br/n/87962-ufginclui-recebe-maior-numero-de-estudantes-desde-sua-criacao


Apontamentos

  • Não há apontamentos.

Comentários sobre o artigo

Visualizar todos os comentários


BNN - ISSN 1676-4893 

Boletim do Núcleo de Estudos e Pesquisas sobre as Atividades de Enfermagem (NEPAE)e do Núcleo de Estudos sobre Saúde e Etnia Negra (NESEN).