Nursing evidence-based practice guidelines for self-care: oral hygiene in ICU - Systematic Literature Review

Luiz Maurício Almeida Freitas, Isabel CF da Cruz

Abstract


The present study aims to review evidence-based nursing guidelines that will help intensive care nurses in identifying nursing care diagnoses and prescriptions to achieve self-care outcomes: oral hygiene within 7 days. Descriptive method was performed through a systematic literature review and based on secondary works published from 2011 to 2018. The survey was conducted in a virtual environment at the Virtual Health Library (VHL), in the electronic databases: Medline, Bdenf, Scielo and Lilacs. The articles identified in the search should meet the inclusion criteria: Portuguese and English, have been published from 2011 to 2018 and have as their main theme oral hygiene in the Intensive Care Unit (ICU). We selected 10 articles that collaborated with the problem solving and research. Finally, it was concluded that oral hygiene has great relevance in the context of basic nursing care and that its practice should be inserted in the daily context of nursing care to all patients. Because there was a significant reduction in the incidence of VAP in patients who maintained regular oral hygiene with brushing associated with 0,12% chlorhexidine.

Keywords


Intensive care units; selfcare; oral hygiene

Full Text:

HTML

References


Zanei SSV, Kawamura MM, Mori S, Cohrs CR, Whitaker IY. Valuation and records of oral hygiene of intubated patients in intensive care units. Revista Mineira de Enfermagem. 2016; [citado em 02 de julho de 2019]; 20:e965. DOI: 10.5935/1415-2762.20160035

Passos SSS, Carvalho ESS, Sadigursky D, Nobre VPCC, Leite GAS. Higiene oral ao paciente dependente hospitalizado: percepções de uma equipe enfermagem. Revista de Pesquisa Cuidado é Fundamental Online, vol. 6, núm. 4, octubre-diciembre, 2014, pp. 1396-1408. DOI: 10.9789/2175-5361.

Brasil. ANVISA – Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução da diretoria Colegiada - RDC nº283. Brasília: Ministério da Saúde. 2005

Guimarães GR, Queiroz APG, Ferreira ACR. Instituição de um protocolo de higiene bucal

Em pacientes internados no CTI do HUSF. Brazilian Society of Periodontology. March 2017 - volume 27 - issue 01 - 27(1):07-10; ISSN-0103-9393

Grasiele CM, Neide OS, Everton TG. Higiene oral: atuação da equipe de enfermagem em paciente com déficit no autocuidado. Revista Enfermagem Integrada. 2009

Rodrigues ALS, Malachias RC, Pacheco CMF. A importância da saúde bucal em pacientes hospitalizados: uma revisão. Revista de Odontologia da Universidade de São Paulo. 2017; 29(3): 243-8, set-dez; ISSN 1983-5183

Matos MPSO, Silva RFG. A eficácia da higiene bucal na prevenção de doenças respiratórias em pacientes internados na UTI adulto do pronto socorro 28 de agosto. Journal of the Health Sciences Institute. 2015; 33(4):344-6.

Costa SRD, Castro EAB, Acioli S. Capacidade de autocuidado de adultos e idosos hospitalizados: implicações para o cuidado de enfermagem. Revista Mineira de Enfermagem. 2013; jan/mar; 17(1): 192-199. DOI: 10.5935/1415-2762.20130016

Rodrigues ALS, Sousa BVN, Nascimento OC. Importância da higiene oral na prevenção da pneumonia associada à ventilação mecânica em UTI. Revista Brasileira de Saúde Funcional. 2018; ISSN: 2358-8691

Carvalho CRR. Pneumonia associada à ventilação mecânica. Jornal Brasileiro de Pneumologia. 2006; 32(4):xx-xxii

Silveira IR da, Maia F de OM, Gnatta JR, Lacerda RA. Higiene bucal: prática relevante na prevenção de pneumonia hospitalar em pacientes em estado crítico. Acta Paulista de Enfermagem. 2010; 23(5):697-700.

Herdman, TH, Kamitsuru S. Diagnósticos de enfermagem da NANDA-I: definições e classificação 2018-2020. 11th ed. Porto Alegre: Artmed; 2017.

Souza AF de, Guimarães AC, Ferreira EF. Evaluation of the implementation of new protocol of oral hygiene in an intensive care center for prevention of pneumonia associated with mechanical ventilation. Revista Mineira de Enfermagem. 2013; jan/mar; 17(1): 177-184; DOI: 10.5935/1415-2762.20130015

Vidal CFL. Impacto da higiene oral com clorexidina com e sem escovação dental na prevenção da pneumonia associada à ventilação mecânica: estudo randomizado. Journal of Nurse UFPE [Online]. 2014.

Cruz MK da, Morais TNM de, Trevisani DM. Avaliação clínica da cavidade bucal de pacientes internados em unidade de terapia intensiva de um hospital de emergência. Revista Brasileira de Terapia Intensiva. 2014; 26(4):379-383; DOI: 10.5935/0103-507X.20140058

Alja’afreh MA, Mosleh, SM, Habashneb SS. Nurses’ perception and attitudes towards oral care practices for mechanically ventilated patients. Saudi Medical Journal. 2018; Vol. 39 (4): 379-385; DOI: 10.15537/smj.2018.4.21749

Félix LC. Avaliação do impacto de dois diferentes métodos de higiene oral com clorexidina na prevenção de pneumonia associada à ventilação mecânica. Revista de Medicina da UFC. 2016; 12(4)45-368.

Nogueira JWS, Jesus CAC de. Higiene bucal no paciente internado em unidade de terapia intensiva: revisão integrativa. Revista Eletrônica de Enfermagem. 2017; 19:a46. Disponível em: http://doi.org/10.5216/ree.v19.41480

Oliveira LS, Bernardino IM, Silva JAL e, Lucas RSCC, d’Ávila, S. Conhecimento e prática do controle de higiene bucal em pacientes internados em unidades de terapia intensiva. Revista da ABENO. 2015; 15(4)29-364.

Rocha DFD, Souza, VCL de. Higiene oral: estratégia para redução de infecção na unidade de terapia intensiva cardiológica. Revista SOCESP. 2018; 28(4):468-71. Disponível em: http://dx.doi.org/10.29381/0103-8559/20182804468-71

Muniz D, Silva W, Leite JCRA. Papel da enfermagem relacionado à saúde bucal de pacientes diagnosticados com pneumonia na uti: uma revisão integrativa. Revista Saber Científico. 2016; 14(7):536-78

Tonelli IS. Efetividade do programa educativo no conhecimento de profissionais de enfermagem sobre a higiene bucal em pacientes críticos intubados. Revista Mineira de Enfermagem. 2019; 29(4)23-39.

Oxford Centre for Evidence-based Medicine. CEBM. [Online].; 2009 Available from: https://www.cebm.net/2009/06/oxford-centre-evidence-based-medicine-levels-evidence-march-2009/.

Brasil. Agência Nacional de Vigilância Sanitária Medidas de Prevenção de Infecção Relacionada à Assistência à Saúde. Brasília: Anvisa, 2017.






JSNCARE
Share |