BNN

O ensino na enfermagem: Relato de experiência sobre a construção de uma videoaula.

Fonseca, Patrícia M. Licencianda do curso de graduação e licenciatura da Universidade Federal Fluminense.

Isabel Cruz. Professora titular/UFF

Resumo. A enfermagem como profissão do cuidado em saúde lança mão da educação, esta não entendida somente como transmissão de conteúdo, mas também como a adoção de práticas educativas que busquem a autonomia dos sujeitos em se tratando da condução de suas vidas. Os métodos pedagógicos devem ter o potencial de conduzir o ensino para alcançar a devida finalidade. Ao se refletir na abordagem do tema a ser ensinado, o educador deve focar-se mais na maneira de como passar o conteúdo devido; assim a ministração de uma aula pode tornar-se mais produtiva especialmente no tocante ao ensino enfermeiro-paciente. Este estudo trata-se de um relato de experiência de uma acadêmica de enfermagem do oitavo período. O objetivo é descrever a construção de um método didático para adultos e idosos com nível de escolaridade até a quarta série ou quinto ano do ensino fundamental. A atividade foi proposta através da disciplina de Pesquisa e Prática de Ensino III, da Universidade Federal Fluminense.   

Palavras chaves: Enfermagem, Educação em saúde, Métodos pedagógicos, Idoso

Abstract. In as much as nursing is regarded as a profession within healthcare, it often ends up disregarding an eficient nurse-client education when it is only understood as the delivery of content instead of also being understood as the adoption of educational practices that seek to empower patient autonomy in regards to conducting their lives. Pedagogic methods must have the potential to conduct teaching as to reach the intended goal. As one reflects on the aproach of the theme to be taught, the educator must focus more on how to deliver the sought content, therewith the teaching of a class may be more productive in regards to nurse-patient teaching. This study is a self experience report of a senior undergraduate student of nursing in her eigth semester. The goal is to describe the development of a didatic method tailored to adults and the elderly with an education level of fourth or fifth grade. It was proposed via the discipline Research and Teaching Practice III of the Federal Fluminense University .

 Key words: Nursing, Teaching in Healthcare, Pedagogic methods, Elderly

 Introdução

         A educação em saúde pressupõe uma combinação de oportunidades que favoreçam a manutenção da saúde e sua promoção, não entendida somente como transmissão de conteúdos, mas também como a adoção de práticas educativas que busquem a autonomia dos sujeitos na condução de sua vida. ¹

Na busca da saúde de forma integral, a educação em saúde tem um significado muito importante por colaborar na reorientação das práticas e saberes dos profissionais, trazendo como resultado a melhoria da qualidade de vida e do fortalecimento dos sujeitos. ²

 Tem-se em mãos diversas metodologias de ensino que favorecem o aprendizado, porem o educador necessita estar sensível àquela que tem o potencial de alcançar o aluno.

É preciso ter em vista que a metodologia pedagógica a ser adotada deve ter como ponto de partida o conhecimento sistemático da realidade em que vivem os sujeitos. ²

Neste sentido, durante a participação da disciplina de Pesquisa e Prática de Ensino III, da Universidade Federal Fluminense foi proposta para turma do oitavo período uma produção de videoaula como recurso de educação em saúde à pacientes portadores de hipertensão arterial com o seguinte tema: “A alimentação e a hipertensão arterial”.

A proposta da elaboração da videoaula visa produzir um instrumento de prevenção de agravos e promoção da saúde possuindo uma linguagem clara e sucinta a respeito da influencia da alimentação na hipertensão arterial para adultos e idosos com baixo nível de escolaridade.

 A elaboração de tal material foi desenvolvido tendo-se em mente a finalidade de fornecer ao espectador subsídios para seu autocuidado.

Atualmente o recurso de videoaula está muito difundido, visto sua facilidade e eficiência. É possível, de forma dinâmica, gravar o discurso e a imagem do professor e, assim, reproduzir toda a estratégia didática que o docente aplica em sua aula. Como por exemplo as expressões faciais e corporais, entonação da voz, gestos. Também é muito comum incluir nos vídeos, informações gráficas: mapas, gráficos, esquemas, desenhos, sons e outros.³

É importante a participação de equipes multidisciplinares (profissionais de diversas áreas), especialistas no conteúdo a ser ministrado e alto nível de planejamento para que os vídeos resultantes sejam atrativos, fixem a atenção do aluno e propiciem uma aprendizagem eficaz. ³

Além dos recursos humanos envolvidos na criação da videoaula, deve-se citar também o uso de equipamentos, softwares e serviços de qualidade para gravação, montagem e edição do vídeo, como por exemplo: câmeras de vídeo de alta qualidade; aluguel de estúdio; softwares de edição de vídeo profissionais como: Adobe Premiere Pro, Sony Vegas Pro, Avid Media Composer, Final Cut Pro. ³

O resultado esperado é uma videoaula com conteúdo de qualidade e atrativa ao estudante e, também, que sua finalidade de disseminação do conhecimento seja duradoura.³

 Objetivos  

O objetivo deste estudo é relatar a experiência de uma acadêmica de enfermagem do oitavo período na construção de um método didático para adultos e idosos com nível de escolaridade até a quarta série ou quinto ano do ensino fundamental.  

 

Metodologia 

Trata-se de um estudo descritivo de relato de experiência vivenciado por uma acadêmica de enfermagem do oitavo período da Universidade Federal Fluminense.

 Durante o período de novembro de 2012 a março de 2013 a disciplina Pesquisa e Prática de Ensino III trabalhou a temática da andragogia, taxonomia de Bloom e objetivos de aprendizagem  e como parte da avaliação foi pedido a elaboração uma videoaula.

A atividade foi dividida em duas fases: na primeira houve o planejamento da videoaula com o levantamento teórico sobre a hipertensão arterial e na segunda fase ocorreu a implementação, ou seja, a construção de fato da videoaula.  

 Resultados e Discussão

 

Durante o período da disciplina desenvolveram-se atividades através do Programa Moodle e de encontros presenciais. Acessando a plataforma de Educação em Saúde online pela primeira vez, tive acesso aos temas sugeridos para a videoaula que deveria produzir ao longo do período e apresentar no último encontro presencial. Escolhi trabalhar com a qualidade dos alimentos consumidos.

Na fase do planejamento da atividade realizou-se a busca teórica em livros didáticos, manuais do ministério da saúde e artigos científicos atualizados sobre “a influencia da qualidade da alimentação na hipertensão arterial”.

A seleção do material dessa busca teve o cuidado de escolher a melhor linguagem para a construção do roteiro, pois há a necessidade de relacionar o conteúdo cientifico com uma linguagem simples para adultos e idosos com baixo nível de escolaridade.

A escolha das imagens ocorreu com a mesma preocupação, foram selecionadas imagens de fácil compreensão, que prendesse a atenção e que se referisse ao que estava sendo narrado.

O local planejado foi a minha residência, pois neste local eu teria todo o aporte necessário para a realização da gravação.

Ao se pesquisar por métodos tecnológicos de gravação e edição da videoaula selecionei o software Movie Maker®, o qual dispõe de toda a tecnologia necessária para a elaboração de um vídeo, tanto da gravação de voz e cena quanto da edição.

Após o planejamento de como se daria a construção da videoaula iniciou-se a segunda fase, a fase da implementação.

A fase da implementação é a etapa da construção daquilo que foi planejado previamente.

Algumas dificuldades foram encontradas nesta fase pelo fato de ter sido a minha primeira vez na gravação de uma videoaula, pois até começar a gravação efetivamente é necessário se familiarizar com a tecnologia escolhida, mas após o esclarecimento das dúvidas de como proceder com o software Movie Maker® o trabalho fluiu satisfatoriamente. Portanto percebi como a fase de planejamento sugerida pela orientadora da disciplina foi de grandíssima importância para a elaboração da atividade, desta forma pude finalizar a atividade dentro do prazo estipulado.

Durante a realização da videoaula, a minha preocupação se dava em como eu conseguiria elaborar um material didático cientifico e que chamasse a atenção de pessoas com baixa escolaridade. Nesta atividade pude ver que não basta o professor ter todo o embasamento teórico, mas a transmissão do conhecimento deve ser um fator tão relevante quanto o conteúdo.

Após a finalização da elaboração do vídeo apresentei-o a parentes, amigos, colegas de classe e professores, ocorreram criticas positivas e negativas as quais analisei e que me auxiliarão na criação do próximo instrumento pedagógico.  

 

Considerações Finais

 

A vivência da elaboração de um instrumento pedagógico possibilitou a percepção de uma forma diferente de assistir em enfermagem. A experiência de realizar um cuidar de enfermagem fora dos padrões desenvolvidos no meio acadêmico durante o curso de graduação despertou em mim um novo olhar de onde e como o enfermeiro pode atuar.

As utilização de novas tecnologias no processo ensino-aprendizagem favorecem um novo estímulo ao aprendiz e ao educador. É preciso caminhar juntamente com as novas descobertas. Experimentar, modificar, ousar, enriquecem o dia-a-dia, que geralmente perpetua-se em padrões enrijecidos.    

 

Referências  

1- Pereira AL. Educação em saúde. In : Ensinando a cuidar em Saúde Pública.

Difusão, 2003. Disponível em <  http://www.scielo.br/pdf/csp/v19n5/17825.pdf  > Acesso em 20 de março de 2013.  

2- Góes FGB, Cava AML. A concepção de educação em saúde do enfermeiro no cuidado à criança hospitalizada. Rev. Eletr. Enf. [Internet]. 2009;11(4):932-41. Disponível em < http://www.fen.ufg.br/fen_revista/v11/n4/pdf/v11n4a19.pdf  > Acesso em 20 de março de 2013.  

3 – Vialli A, Motta RAM, Oliveira AS, et al. Gestão do Enriquecimento da Elaboração de Vídeo-aulas: uma Proposta de Aumento da Interatividade Entre Professor e Estudante. VIII SEGeT – Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia – 2011. Disponível em < http://www.aedb.br/seget/artigos11/33114413.pdf > Acesso em 21 de março de 2013. 

Recomendado  

Morán JM. O Vídeo na Sala de Aula. Comunicacão e Educacão, São Paulo, (2): 27 a 35, .jan./abr. 1995. Disponível em; http://revistas.univerciencia.org/index.php/comeduc/article/view/3927/3685. Acessado em 20 de Março de 2013.  

Vídeos recomendados  

Meditação em um instante. Disponível em: http://www.youtube.com/watch?v=IPrOlrYHsoQ.  

Vídeo Aula – Criando uma video aula. Disponível em: http://www.youtube.com/watch?v=bAFEY7uvCZo.  Acessado em 3 de fevereiro de 2013.

 

Apontamentos

  • Não há apontamentos.

Comentários sobre o artigo

Visualizar todos os comentários


BNN - ISSN 1676-4893 

Boletim do Núcleo de Estudos e Pesquisas sobre as Atividades de Enfermagem (NEPAE)e do Núcleo de Estudos sobre Saúde e Etnia Negra (NESEN).