Boletim NEPAE-NESEN

 Os desafios de como e por quê se demonstrar estratégias para conseguir parar de fumar para o(a) cliente com HAS: um relato de experiência.

 Abreu, Fabiana OSM. Acadêmica de Enfermagem do 8º período da Escola de Enfermagem Aurora Afonso Costa da Universidade Federal Fluminense no ano de 2013

Cruz, Isabel. Titular/UFF

Resumo: Relato de experiência de uma acadêmica do 8ºperiodo da  Escola de Enfermagem Aurora Afonso Costa da Universidade Federal Fluminense no ano de 2013, sobre os desafios e dificuldades acerca da construção de uma videoaula sobre um autocuidado para um cliente com Hipertensão arterial sistêmica (HAS) e tabagista com abordagem na educação em saúde onde fosse focado a construção de objetivos, tecnicas de avaliação, estratégias de ensino pautados em um plano de aula para a disciplina Pesquisa e Prática de Ensino III. Sabe-se que a HAS e o tabagismo são dois grandes fatores de risco para doenças cardiovasculares,doenças estas que são as maiores causas de internação, entretanto, quais são as estratégias que os profissionais de enfermagem utilizam para a educação em saúde desta temática?Através da construção desta videoaula algumas destas duvidas foram discutidas e outras foram levantadas externando que o conhecimento cientifico precisa ser transmitido para o cliente de forma que este entenda.

     Palavras chaves: Hipertensão, Tabagismo, Enfermagem, Educação em Saúde, autocuidado.

 

Abstract : Experience report of an academic 8th period Nursing School Aurora Afonso Costa , Universidade Federal Fluminense in 2013 , about the challenges and difficulties about building a videoaula over a self-care for a client with systemic arterial hypertension (SAH ) and smokers with approach in health education which was focused building objectives , assessment techniques , teaching strategies guided by a lesson plan for the course Research and Practice teaching III . It is known that hypertension and smoking are two major risk factors for cardiovascular diseases , these diseases that are major causes of hospitalization , however, what are the strategies that nurses use to health education of this theme ? Through construction of this videoaula some of these and other questions were discussed were raised expressing that scientific knowledge must be transmitted to the client so that it understands. .
Key words : hypertension , smoking , Nursing , Health Education , self-care

 

INTRODUÇÃO

 

O presente artigo trata de um relato de experiência sobre a construção de uma vídeo aula para a disciplina Pesquisa e Prática de Ensino III do curso de Enfermagem e Licenciatura da Escola de Enfermagem Aurora de Afonso Costa – UFF onde foi necessário construir um plano de ensino onde um autocuidado para um cliente com hipertensão arterial sistêmica (HAS) com hábito de fumar fosse aplicado.

Durante as últimas décadas o controle do tabagismo configurou-se como um dos maiores desafios da saúde pública. Na medida em que os fumantes expõem a si mesmos e aqueles que os cercam a inúmeras substâncias tóxicas e que causam doenças respiratórias, cardiocirculatórias e neoplasias, são essenciais políticas públicas que monitorem e desestimulem o consumo de tabaco¹.

Atualmente, percebe-se que as gerações da década de 90 não construíram o hábito de fumar como das décadas anteriores, e isso implica na educação em saúde necessária para estas pessoas com mais experiências, onde discurso de fumar há anos seja o maior empecilho para iniciar a tentativa de abandonar este hábito.

Fica evidente que a educação em saúde com estes clientes precisa ser renovada, repensada e recriada, para que hábitos e tabus sejam quebrados de forma consistente, com consciência e autonomia por parte dos clientes.

Concomitante a esta preocupação, a HAS contribui para uma elevada mortalidade cardiovascular em todo o país. Conhecer a distribuição dos fatores de risco (FR) para HA em grupos populacionais é essencial para a redução desse importante problema de saúde pública.²

Neste sentido, a enfermagem encontra-se em uma posição propícia para o ensino de estratégias voltadas para o desafio de abandonar o vício do cigarro, assim como explicar suas complicações, fatores de risco, e associa-lo a outras doenças, como por exemplo HA.

Frente ao exposto, a razão pela qual se deve ensinar os malefícios e prejuízos que o tabagismo associado com HAS pode causar é evidente, tornando o “Por que” se ensinar estratégias para conseguir parar de fumar para o(a) cliente com HAS óbvio, entretanto o “Como” foi um grande desafio.

 

PLANO DE ENSINO

 

A maior problemática resumiu-se em uma questão: o que é um objetivo de aprendizagem no contexto de um planejamento de ensino? Qual seria a dificuldade em elaborar um objetivo de aprendizagem para um cliente tabagista com HAS? Estas questões foi um desafio para autora e sua mentora, que no papel de educadora mostrou todos os caminhos possíveis, entretanto deixou as pedras.

Identificou-se a proposta na dimensão problematizadora do processo ensino-aprendizagem para a disciplina: aprendizagem baseada em problemas, que é uma abordagem onde os estudantes lidam com problemas, previamente elaborados, em pequenos grupos, com a supervisão de um tutor. Os problemas são, geralmente, descrições de um fenômeno ou evento a ser analisado pelo grupo, usando, inicialmente, o conhecimento prévio. A partir daí, os estudantes procuram entender os processos subjacentes, surgindo as interrogações. Essas constituem os objetivos do aprendizado e servirão como conteúdo de estudo individual e coletivo.³

Como estratégia de ensino a autora adotou a demonstração por entender que esta técnica abrange vários níveis de escolaridade e se faz prática um conteúdo muitas vezes passado de forma teórica, sendo assim , mais atrativo.

 

SITUAÇÃO-PROBLEMA

 

         A disciplina se dá em ambiente vistual, através do sistema de Educação em saúde on-line, onde cada aluno faz um cadastro no site e passa ser gerenciado pela professora da disciplina. Durante um semestre o aluno necessita ter acesso semanal para completar as atividades e exercícios proposto. Foruns e tópicos são disponibilizados para dúvidas, discussões e trocas de experiência entre os alunos a respeito das atividades.

         A ideia principal é que haja discussões entre os alunos que estão cursando a disciplina, onde um possa ajudar o outro, levantar erros, sugerir soluções e avaliações uns dos outros. A intenção é que torne uma sala de aula onde não haja um professor julgando ou avaliando mas um grupo de alunos trocando experiências e dificuldades para alcançar os objetivos de aprendizagem propostos pela professora.

         Como avaliação final, cada aluno deveria criar uma vídeo aula de 7 minutos onde fosse abordado uma habilidade de autocuidado para o (a) cliente com HAS e uma tema de escolha, como colesterol, atividade fisica, alimentação saudável entre outros. Foi escolhido pela autora o tabagismo, pois este se faz um dos principais fatores de risco para HAS frente a ação da nicotina nos vasos sanguíneos.

         Durante todo o semestre os alunos tinham subsídios de artigos, livros, vídeos e apresentações sugeridas pela professora para ajudar na construção de ideias e conceitos assim como novas ferramentas de apresentações e recurso audiovisual. Por tratar de uma disciplina sequencial, onde o aluno já deveria ter passado por PPE I e PPE II, alguns conhecimentos e experiências quanto a prática de educação foram cobrados.

 

Processo de realização da videoaula:

 

         A vídeo aula elaborada pela autora teve como titulo: Não consigo parar de fumar. O que devo fazer? Onde a mesma demonstrou uma técnica de relaxamento que supostamente é encontrada no ato de tragar. Seu público alvo é fumantes hipertensos que almejam parar de fumar e não conseguem.Seu objetivo é relaxar sem precisar fumar e sua técnica de ensino foi a demonstração. Como avaliação de sua vídeo aula, a autora solicitou ao final do vídeo que fosse enviado um email para o endereço disponibilizado, contanto como a vídeo aula ajudou e se foi útil para relaxar sem precisar fumar.

        

ANÁLISE E INTERPRETAÇÃO DA EXPERIÊNCIA DA VIDEOAULA    

 

         Estamos vivendo uma era onde a internet é a mediadora de praticamente todos os processos, seja na área da saúde, judicial, esportiva ou lazer, e isso faz com que os profissionais de saúde repensem as formas como educar seus clientes no que diz respeito a autocuidado de certas enfermidades, seja crônica ou não.

Além disso, por ser tratar de um curso onde a licenciatura e bacharelado faziam parte do plano pedagógico, foi um desafio articular estratégias, técnicas e objetivos de ensino com o conteúdo da área de saúde escolhido: HAS e tabagismos. Ficou evidente que as duas disciplinas anteriores de licenciatura (PPE I e PPE II) não foram sozinhas, suficiente para fornecer conhecimentos acerca de toda problematização para elaboração de um objetivo de ensino, seja ele para o próprio aluno ou para o cliente em questão.

Durante o semestre, foram realizados alguns encontros e orientação via email, onde a professora insistentemente mostrou aos alunos várias técnicas de ensino, taxonomias, avaliações entre outros conteúdos, tentando desta forma se tornar presente mesmo estando em ambiente virtual.

Através da vídeo aula, o cliente assiste uma demonstração de uma técnica de relaxamento onde o mesmo pode ver passo a passo como realizar a atividade proposta. A idéia é mostrar que o relaxamento encontrado no ato de tragar nada mais é que um exercício de respiração, desmitificando que cigarro acalma onde na verdade o que acalma é todo o processo de parar, respirar, soltar o ar, relaxar o corpo.

Para que a autora tenha um feedback a vídeo aula, a mesma disponibilizou um endereço de email, convidando a todos que assitiram a darem sua opinião sobre como aquele vídeo ajudou a resistir a tentação do “stress” para fumar, esperando desta forma uma avaliação sobre seu trabalho.

 

CONCLUSÃO

 

Diante de todo conhecimento cientifico acerca da área de saúde, a forma como cada profissional pode e/ou deve ensinar seus clientes não é um assunto muito discutido durante a graduação, o que torna muito difícil para o aluno quando confrontado por uma disciplina que seu foco é o ensinar, e não somente a doença ou diagnostico.

Sabe-se que o enfermeiro é um profissional que lida diretamente com o cliente seja em uma consulta de enfermagem ou em um procedimento, e faz-se um instrumento de educação em saúde, entretanto, será que este profissional está consciente do processo de aprendizagem que estabelece para seu cliente? Este profissional faz-se claro em suas orientações e diagnósticos?

Atraves da criação de uma simples tarefa, a videaula, onde a mesma tinha um simples objetivo: ensinar um autocuidado, foi possível perceber que existe muitas duvidas e incertezas quanto ao planejamento de uma atividade de educação em saúde, podendo ser esta uma razão para tantas campanhas e eventos não acontecerem com êxito esperado.

Fica a reflexão sobre a necessidade de se estudar o como ensinar e aprender, para que todo conhecimento cientifico construído na academia cientifica não seja em vão ou apenas mais um bom profissional de prática assitencial.

        Referências

1-                 Mirian Kuhnen; Antonio Fernando Boing; Maria Conceição de Oliveira; Giana Zarbato Longo; et al. Tabagismo e fatores associados em adultos: um estudo de base populacional - Rev. bras. epidemiol. vol.12 n.4 São Paulo Dec. 2009 Disponivel em: http://dx.doi.org/10.1590/S1415-790X2009000400011  Acessado em: 02/10/2013

 

2-                 Kati Vergetti Bloch, Claudia Soares Rodrigues, Roberto Fiszman.

 Epidemiologia dos fatores de risco para hipertensão arterial – uma revisão crítica da literatura brasileira.  Rev Bras Hipertens vol.13(2): 134-143, 2006. Disponivel em: http://bases.bireme.br/cgi-bin/wxislind.exe/iah/online/?IsisScript=iah/iah.xis&nextAction=lnk&base=LILACS&exprSearch=435402&indexSearch=ID&lang=p acessado em: 06/10/2013

3 - Nildo Batista; Sylvia Helena Batista; Paulete Goldenberg; Otília Seiffert; Maria Cecília Sonzogno  - O enfoque problematizador na formação de profissionais da saúde  Disponive em: http://www.scielosp.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-89102005000200014&lng=pt&nrm=iso

4 -Brasil. Ministério da Saúde. Instituto Nacional do Câncer. Tabagismo: dados e números. 2010. Acessado em: 09 Set. 2010. Disponível em: http://www.inca.gov.br/tabagismo/frameset.asp?item=dadosnum&link=mundo.htm.

5- Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Coordenação de Prevenção e Vigilância. Deixando de fumar sem mistérios: entender por que se fuma e como isso afeta a saúde. 2ª ed. Rio de Janeiro: INCA, 2004.

6- Echer IC; Barreto SSM. Determination and support as successful factors for smoking cessation. Rev Latino-Am Enfermagem 2008; 16(3): 445-451.Bardin, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70; 2008.

7- Echer I; Menna-Barreto S.da-Motta G. Perceptions of smokers in abstinence about the benefits from smoking cessation: a qualitative study Online Brazilian Journal of Nursing [serial on the Internet]. 2008 March 11; [Cited 2011 Febl 02]; 7(1):[about p.]. Available from: http://www.objnursing.uff.br/index.php/nursing/article/view/1161

8-Spink MJP. Ser fumante em um mundo antitabaco: reflexões sobre riscos e exclusão social. Saúde Soc 2010; 19(3): 481-96.

9- Rondina RC; Gorayeb RBC. Características psicológicas associadas ao comportamento de fumar tabaco. J Bras Pneumol 2007; 33(5): 592-601.

10-Azevedo RCS; Higa CMH; Assumpção, ISAM; Frazatto CRG; Fernandes RF; Goulart W, et al. Grupo terapêutico para tabagistas: resultados após seguimento de dois anos. Rev. Assoc. Med. Bras. 2009, 55(5). Acesso em 15 nov.2010. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php.

11-Tabagismo: parte I. Rev. Assoc. Med. Bras. [periódico na Internet]. 2010 [citado 2011 Abr 28] ; 56(2): 134-134. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-42302010000200005&lng=pt.

12-Vladimir Araújo da Silva, Juliana Dalcin Donini Silva, Carla Simone Leite de almeida, André Gustavo de Castro e Silva, Catarina Aparecida Sales, Sonia Silva Marcon- The experiment of people entered into an anti-smoking program: a descriptive study .Disponível em:http://www.objnursing.uff.br/index.php/nursing/article/view/3578

 13-Varga Cássia Regina Rodrigues, Almeida Volia de Carvalho, Germano Carla Maria Ramos, Melo Débora Gusmão, Chachá Silvana Gama Florêncio, Souto Bernardino Geraldo Alves et al . Relato de experiência: o uso de simulações no processo de ensino-aprendizagem em medicina. Rev. bras. educ. med. [serial on the Internet]. 2009 June [cited 2009 Aug 29] ; 33(2): 291-297. Available from: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-55022009000200018&lng=en. doi: 10.1590/S0100-55022009000200018.

Apontamentos

  • Não há apontamentos.

Comentários sobre o artigo

Visualizar todos os comentários


BNN - ISSN 1676-4893 

Boletim do Núcleo de Estudos e Pesquisas sobre as Atividades de Enfermagem (NEPAE)e do Núcleo de Estudos sobre Saúde e Etnia Negra (NESEN).